quarta-feira, 27 de setembro de 2017

RESENHA DO LEITOR: A SEREIA

SINOPSE: Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, precisa usar sua voz para atrair as pessoas para se afogarem no mar. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que ela conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo o que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar - pois a voz da sereia é fatal -, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir, Kahlen será obrigada a abandonar Akinli para sempre. Mas pela primeira vez em muitos anos de obediência, ela está determinada a seguir seu coração.


Fugindo um pouco dos contos de fadas habituais, em A Sereia, Kiera Cass recria um pouco os mitos das serias da Grécia antiga. Misteriosamente salvas por uma entidade tão antiga e poderosa quanto o tempo, um grupo de garotas vive em silencio. Sua voz mortal é capaz de levar navios inteiros a naufrágios e enlouquecer um humano. Kahlen nunca se preocupou com o que tinha que fazer para pagar a dívida de sua vida. Ela sempre cantou com empenho e afundou todos os navios necessários para satisfazer os desejos da Água. Parecia um preço mais do que justo a pagar pela imortalidade que ela possuía.


— O que você daria para continuar viva?
— Qualquer coisa.

Kahlen se adaptou bem ao mundo das sereias, ela aprendeu a língua de sinais para substituir a voz que não deveria usar fora do mar, se dedicou a aprender sempre um pouco mais no tempo que tinha e acima de tudo ela aprendeu a amar a Água. Uma figura materna um tanto abusiva, a Água é um personagem poderoso do livro. Ela alega pedir apenas o necessário, mas isso não quer dizer que ela não peça muito. Ciumenta e possessiva ela faz de tudo para manter as sereias o mais próximo possível, assim como tenta manter todos os outros longe. Para a Água, Kahlen é sua filha mais amada e dedicada e apesar do pacto de libertar as sereias após cem anos de serviço ela não pretende deixar Kahlen ir a lugar algum. Sem saber das intenções da “mãe”, Kahlen conta os dias para que seus últimos dezenove anos de serviço cheguem ao fim.


Pude ouvir mais uma vez a água me chamar de volta. Eu estava a algumas centenas de metros do mar. Mesmo assim era longe de mais para ela me encontrar.
— Onde você está? Suas irmãs estão preocupadas. Volte, Kahlen. Volte.

Quando decide voltar para a faculdade, Kahlen conhece Akinli que parece ser a personificação de todos os seus sonhos. Ele não se deixa intimidar pelo silêncio dela, se esforça para aprender a língua de sinais e sempre se mantém por perto. Apesar de saber que a Água jamais permitiria tal tipo de relacionamento, Kahlen se deixa levar pouco a pouco pelos encantos do garoto. Ela se afasta cada vez mais da Água e de suas irmãs para manter seu romance em segredo. Em determinado momento, depois de um naufrágio enorme que ela foi obrigada a provocar, Kahlen foge e se refugia em um lugar distante com Akinli. Como nem tudo são flores depois de um deslize, ela acaba encantando o garoto. Como todo ser humano que escuta a voz de uma sereia que pertence a Água, Akinli vai em direção a entidade pronto para aceitar sua morte. Desesperada para salvá-lo Kahlen concorda com um novo pacto. 


— Entendo. Então o que acontece agora? Ela refletiu em busca de uma alternativa mais viável.
— Mais cinquenta anos. Acrescentarei mais cinquenta anos do seu tempo.
— Não! Implorei. —Você não pode fazer isso! Por favor, não. Não me faça viver mais setenta anos sem ele. 

Resignada com um destino do qual não pode fugir, Kahlen começa lentamente a definhar. Suas irmãs estão preocupadas com sua saúde, mas não há nada que possam fazer. Sereias não adoecem. E mesmo assim a garota parece cada vez mais próxima de um fim que ninguém poderá evitar. Quando se é uma sereia e existe um mar entre você e o garoto de seus sonhos, só a Água poderá conceder o maior desejo do seu coração. 


— Você vai ficar bem? Perguntei.
— Tenho que ficar. Vá, minha querida. Isso é tudo o que posso te dar. Você finalmente compreenderá o quanto amo você.

Eu nunca espero nada muito profundo e impressionante da Kiera Cass, por isso não me decepcionei com A Sereia. É um romance leve, leve mesmo, com poucas cenas que revelam uma paixão forte e incessante entre os personagens principais. Kahlen perde para America e Eadlyn da série A Seleção, em personalidade e vivacidade. A verdade é que não sabemos como ela se parece a não ser que é bonita e tem cabelo ondulado. A Água é uma personagem mais interessante, mais complexa e com personalidade bipolar. É uma história tranquila, engraçada em alguns pontos e fofa em outros, mais infantil do que juvenil para falar verdade, mas a mitologia é bem explorada e a historia em si é muito bem escrita. Apesar do material poder ser melhor trabalhado, a historia é cheia de pontos fortes que te impedem de largar o livro.


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: CAROLINA SIQUEIRA
Carol Siqueira, 20 anos, é estudante de Odontologia pela Universidade Positivo e quando não está deixado o sorriso das pessoas mais bonito, ela passa seu tempo lendo histórias sobre criaturas mágicas, que eventualmente se apaixonam, ou escrevendo algum resumo bobo na varanda de sua casa e não perde a oportunidade de adicionar mais um livro a sua coleção de preferidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: