terça-feira, 31 de outubro de 2017

RESENHA DO LEITOR: CONTOS DE IMAGINAÇÃO E MISTÉRIO (EDGAR ALLAN POE)

SINOPSE: Em 1919 a editora londrina George G. Harrap & Co. lançou uma antologia de contos de Edgar Allan Poe, que àquela altura já era reconhecido como o pai das histórias de suspense e mistério. A edição, porém, não se limitava a reproduzir as narrativas: luxuosa, ela foi ilustrada pelo irlandês Harry Clarke (1889-1931). É exatamente essa edição que o selo Tordesilhas lança no Brasil, mas com um precioso acréscimo: posfácio de Charles Baudelaire (1821-1867), primeiro tradutor de Poe para o francês e a reconhecer a genialidade do escritor norte-americano.


"O homem e sua obra, ambos ocupam um lugar importante na história da fantasia, pois Poe criou um gênero diferente, sem precedentes, e, me parece, levou o segredo consigo. Podemos chamá-lo de chefe da escola da estranheza" (Júlio Verne). 

Com ilustrações de Harry Clarke e tradução de Cássio de Arantes Leite,  esta bela edição de Contos de Imaginação e Mistério, publicada originalmente em 1919, tornou-se uma das mais preciosas obras literárias da época. O prefácio, escrito por Charles Baudelaire, é um caso à parte. Li e reli, a fim de extrair deste o sumo de sua intencionalidade. O texto descreve não apenas a obra em questão, mas toda a arte e personalidade de Poe. Baudelaire o vê como uma "caricatura". Alguém que foi grande por sua sutileza metafísica, pelo rigor de suas análises e pela beleza misteriosa de sua arte. Poe se joga no sonho, na imaginação, na busca do que, para ele, seria a verdadeira natureza humana.


"Toda certeza está nos sonhos" (Edgar Allan Poe). 

Na obra de Poe, observa-se uma característica constante, que descreve o homem como um ser dotado de uma perversidade nata, podendo ser ao mesmo tempo "homicida e suicida", "criminoso e carrasco". Nata, porque somente isto explicaria certas más ações praticadas. Na presente obra nos deparamos com o que para Poe, é uma faculdade quase divina: A imaginação. Nos contos aqui presentes, pode-se observar elementos espirituais, poesia, método científico, análise lógica, investigação, assim como fantasia, horror e suspense. 


"O intelecto visa a verdade, o gosto nos mostra a beleza e o sentido moral nos ensina o dever." (pág. 21)

Além disso, em vários momentos percebe-se seu gosto e admiração pelas formas belas e singulares, pela suntuosidade oriental e pelos ambientes sombriamente decorados. Por ser considerado o "pai da narrativa policial", serve de inspiração até os dias de hoje para os que buscam alcançar os mais altos patamares da arte voltada para o mistério, a investigação, o sobrenatural e o sombrio. Dos 22 contos presentes nesta obra, destaco "O Gato Preto", "O Enterro Prematuro", o "Poço e o Pêndulo". Em vários momentos, entre um conto e outro, vislumbrei diversos elementos e até cenas completas de livros e filmes contemporâneos, que certamente inspiraram-se na obra deste gênio.


Uma leitura que leva o leitor a refletir sobre a natureza humana e seus gatilhos emocionais; sobre os mistérios espirituais e o que nos torna quem somos verdadeiramente, quando nos despimos das máscaras sociais as quais estamos habituados. Sentimento de culpa, ficção científica, investigação policial, terror sobrenatural, enfim, cada conto de Poe traz consigo uma essência e um objetivo, cabendo ao leitor analisar as entrelinhas, pois nem sempre sua intenção está explícita. #Recomendo


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40 anos, sou Pedagoga, Teóloga e Artesã. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

RESENHA DO LEITOR: VINTE MIL LÉGUAS SUBMARINAS

SINOPSE: Clássico de ficção científica, em "Vinte Mil Léguas Submarinas", estranhas aparições nos mares preocupam as autoridades da Europa e da América. Seria uma alucinação? Um monstro colossal? Um engenho ultramoderno de navegação submarina? Nesta obra, o Capitão Nemo, por ter profundo desprezo do mundo civilizado e desejoso de vingança contra os países dominadores, rompe os laços com a sociedade e viaja todos os mares da terra colecionando tesouros e protegendo a natureza e as pessoas. Em seu caminho, ele encontrará o professor Aronnax, que juntos embarcarão em uma intensa aventura pelos mares do planeta. Lançados ao mar, o professor Aronnax, o fiel Conselho e o exímio arpoador Ned Land foram resgatados e feitos prisioneiros pelo enigmático capitão Nemo, dono, líder e principal habitante do prodigioso submarino Náutilus.


IMPRESSÕES PESSOAIS: Olá, leitores! Sou Felipe Maranhão, e escolhi para resenhar desta vez, o livro "Vinte Mil Léguas Submarinas". Sempre achei que este livro se classificava apenas como uma obra infanto-juvenil e julgava-o pela "capa". Entretanto, ao imergir nesta aventura clássica vi o quanto esta obra vai além de uma obra de aventura, porque a mesma aborda questões sensíveis, com personagens complexos com maravilhas e encantamentos. Vi o quanto Júlio Verne sabe escrever, desenvolver e divertir o leitor.


O Capitão Nemo, personagem encantador e misterioso, rompeu laços com o continente e no seu navio viajou por todos os mares da Terra. Por desejar viver anonimamente e ansiando vingança junto com profundo desprezo pelo chamado mundo civilizado ele criou um submarino, a fim de concretizar sua vingança contra os países dominadores e viver isolado da sociedade. Vale ressaltar que por meio deste clássico, Júlio Verne anteviu a criação do submarino. Revelando o enorme conhecimento científico deste ator, que agiu como um "profeta bíblico por prever o futuro." E reforça o quanto esta narrativa, apresenta uma série de novos conhecimentos científicos para a época. E o mais interessante, é que esta antevisão é apresentada ao leitor de uma forma convincente e que aguça a curiosidade daquelas que estudam ciência. O autor preocupa-se em dar embasamento científico aos fatos narrados, fazendo uso das descobertas de seu tempo e aventurando-se em campos que seriam ainda seriam desbravados pelas descobertas científicas.


A narrativa apresenta também uma riqueza história por mencionar a lógica política do século XIX de alguns países dominadores, que subjugaram e oprimiram muitos povos. E como o Capitão Nemo usa sua invenção marítima e os tesouros que ele encontra nos mares  para ajudar os oprimidos. Feito que cativa o leitor. A histórica fica muito interessante quando o Arronax, Conselho e Ned Land vão parar encima do submarino, após se perderem em uma aventura que visava descobrir o que era este "monstro" que intrigava as pessoas comuns e pesquisadores.


Para preservar sua sigilosa existência o Capitão Nemo decide manter os três a bordo do submarino, negando-lhes a possibilidade de voltarem à terra. A partir de então inicia-se uma grande aventura pelos mares do planeta. Partindo do oceano Pacífico nas costas do Japão, o Náutilo navega ainda pelo Índico, Mar Vermelho, Mediterrâneo, Atlântico, os mares austrais e boreais, percorrendo um total de 20 mil léguas. Chegam até mesmo ao Pólo Sul. A princípio esses novos tripulantes aceitam viajar com Nemo. Mas,  com o passar do tempo estes três prisioneiros buscam fugir da prisão, ao perceberem que o Capitão Nemo não nunca permitirá a saída deles. Será que eles conseguirão fugir do poderoso submarino? Será que Nemo conseguiu sua tão almejada vingança contra os países dominadores?


Garanto para vocês que este livro tem um final surpreendente capaz de "tirar o fôlego do leitor." Com capítulos, sempre curtos, invariavelmente terminam no clímax e encadeiam-se com o seguinte. A técnica é eficiente para manter o leitor "preso" do começo ao fim da narrativa.

BIOGRAFIA DO AUTOR: Júlio Verne nasceu em Nantes, na França, em 8 de fevereiro de 1828. Fugiu de casa com 11 anos para ser marinheiro. Localizado e recuperado, retornou ao lar paterno. Em um furioso ataque de vergonha por sua breve e efêmera aventura, jurou solenemente não voltar a viajar senão em sua imaginação e através de sua fantasia. Promessa que manteve em mais de oitenta livros. Foi um dos primeiros escritores a praticar uma literatura na linha da moderna ficção científica. Verne previu, entre outros inúmeros inventos como a televisão, o helicóptero o cinema falado, e tantos outros. Estudou Direito para agradar ao pai, mas jamais exerceu a profissão. Trabalhou como secretário do Teatro Lírico entre 1852 e 1854 e, depois, tornou-se corretor de bens públicos. Entretanto, fez carreira mesmo foi na literatura como um dos maiores escritores de todos os tempos. Suas obras foram premiadas pela Academia Francesa de Letras. Júlio Verne faleceu em Amiens, França, no dia 24 de março de 1905.

VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: FELIPE MARANHÃO
21 anos. Graduando do 5° período de Letras da Universidade Federal do Tocantins, e leitor voraz de literatura estrangeira.

sábado, 28 de outubro de 2017

ENTREVISTA COM LEONARDO M., AUTOR DE ALMAS IMORTAIS

SINOPSE: Oliver Hale, um jovem de dezenove anos, de repente se vê na difícil situação de começar do zero após vivenciar o divórcio repentino dos pais. Abalado, mesmo com o apoio da mãe, se vê desesperançoso ao chegar na nova escola. Mais uma vez sua vida se transforma. Presenciar a morte de perto, a presença de um homem desconhecido e uma carta misteriosa levam Oliver em busca de respostas, tornando-o alvo de uma grande caçada. Depois de descobrir um mundo sobrenatural e precisar enfrentar o passado que vem à tona, Oliver se vê forçado a possuir um poder extremo. Dividido entre um amor proibido e sobreviver. Qual será a escolha de Oliver? Almas Imortais revela o segredo existente em cada alma, mostrando o verdadeiro sentido da palavra “destino”.


Como surgiu a ideia de escrever “Almas Imortais”? Bom, Almas Imortais surgiu depois de uma sessão de cinema. Eu havia acabado de assistir o último filme de uma saga favorita, eu tinha dezessete anos, e decidi escrever essa história como forma de me fazer lembrar tudo aquilo que havia vivido nos livros e nos filmes, no entanto que nem levava a escrita de Almas Imortais a sério, era um hobby, escrevia quando queria e quando tinha vontade, mas foi o melhor passatempo que fiz na minha vida (risos).

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Como eu escrevia sem pressa e sem um prazo, nunca me cobrava, só escrevia quando estava a fim, depois de voltar da escola, quando dava e quando queria (risos), mas até chegar no ponto final do último capitulo foram dois anos e oito meses!

O que o leitor pode esperar de “Almas Imortais”? Bom, Almas Imortais é uma fantasia sobrenatural, como é o primeiro livro de uma saga é um livro de apresentação, tanto de personagens quanto de universo, então se preparem para muitos suspenses, duvidas e revelações, poderes e lutas. Oliver que é o meu personagem principal vai descobrir muitos segredos dos seus antepassados além de estar se descobrindo pessoalmente sobre sua personalidade e vida pessoal. E claro, tem um romance proibido, que é um grande diferencial de outras histórias que vocês terão que descobrir sozinhos (risos).

Qual é o autor ou autora preferido? Eles te inspiraram de alguma maneira a escrever? Nossa, eu gosto de vários (risos), mas vou citar a Stephenie Meyer, porque ela me inspirou de certa forma a escrever Almas Imortais, tanto na forma de narrativa quanto ao sentido romântico.

Se "Almas Imortais" pudesse ter uma trilha sonora, qual musica escolheria? Na verdade, Almas Imortais tem uma trilha sonora, pois eu amo escrever ouvindo música, especificamente em algumas cenas, músicas me inspiram muito! Então não vou escolher apenas uma música, mas vou citar as artistas que mais ouvi durante o processo de escrita: Avril Lavigne, Lana Del Rey, Birdy. 

Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Eu quero muito viver da escrita um dia, mas no nosso país é difícil (risos) então tenho outra profissão, no momento sou gerente em uma empresa de fast-food.

Deixe uma mensagem para os leitores: Olá leitores do vitamina L , espero que estejam ansiosos para ler Almas Imortais! Continuem clicando aqui no Vitamina L , quem sabe logo aparece uma resenha por aqui! Obrigado pelo apoio! Até mais!

PARA COMPRAR "ALMAS IMORTAIS" CLIQUE AQUI!

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: DESEJOS SECRETOS

SINOPSE: Kelly Marinho é uma adolescente de 18 anos muito ambiciosa e antipática, porem vive em uma casa extremamente humilde na cidade de São Paulo com a sua mãe. As duas se dão bem, mas será que a chegada de seu novo padrasto Michael poderá abalar essa relação?


Minha gente maravilhosa, vocês estão bem? Bom, hoje minhas Primeiras Impressões serão do livro: Desejos Secretos. Li os primeiros seis capítulos e vamos para a história de Kelly. Kelly agora com 31 anos resolveu revelar suas histórias de quando era mais nova e ainda morava com a sua mãe. Quando era uma jovem de dezoito anos vê sua mãe se apaixonar novamente, embora ela saiba a pouco tempo desse namoro, que na verdade, é tempo suficiente para ela não gostar do novo amor de sua mãe. Ela mal se recupera de saber que a mãe está namorando e ela lhe dá a notícia que aceitou se casar com Michel, e prontamente eles decidem morarem juntos, agora Patricia, Kelly e Michel, moram na mesma casa.


A garota se recusa a se aproximar do marido da mãe, mas ele faz um pouco de esforço para agradá-la já que passaram a viver sob o mesmo teto. Kelly está procurando trabalho e seus planos logo após encontrar um emprego é ingressar na faculdade de Biologia, sua grande paixão, ainda mais que tem um amigo fazendo este curso e pela descrição de sua rotina isso a deixa ainda mais animada. Em sua busca por trabalho, Michel tenta ajudá-la, embora ela não queira ficar “devendo favor” nenhum a ele, no fim ela acaba aceitando, pois não vê outra maneira de encontrar um emprego de fato de forma rápida. Kelly parece ser uma garota que gosta de ficar isolada, talvez pela vergonha um pouco velada que ela tem de sua casa, por ser muito simples. Ela tem ambição e almeja outra vida, não que seja ruim, é muito bom, mas percebo que ela deveria valorizar mais o que sua mãe pode lhe proporcionar neste momento.


Após o casamento de sua mãe, a convivência com o Michel possui altos e baixos, eles ainda não se dão muito bem. Ele tem uma filha quase da mesma idade de Kelly. Ele teve filho jovem e ainda mantem a boa aparência e o corpo bem bonito. Michel é um homem charmoso e chama a atenção. Passado alguns dias há muitas novidades na vida de Kelly, ela inicia o namoro com Eduardo, seu amigo estudante de Biologia, que mora no mesmo bairro que ela. E enfim, ela consegue um emprego em uma academia de ginástica, Kelly também tem ótima forma, resultado de horas de treino na academia.


Um dia após voltar da casa do namorado, Kelly flagra Michel no quarto que divide com a mãe dela, fazendo um carinho digamos que muito intimo nele mesmo, ela fica paralisada e ao mesmo tempo querendo assistir, mas ela rapidamente deixa a cena. Até pensou em contar para sua mãe, mas ficou com medo de sua reação. Kelly sentiu que aquilo na verdade, foi para aliviar os desejos que ele está tendo por ela. A moça acha um absurdo e não pensa no que isso poderia significar, afinal, ela não trairia sua mãe, nem seu namorado, era insano pensar na possibilidade, mas ela existia, e estava ficando cada vez mais forte.


No começo não gostei muito do livro, achei a Kelly bem metida e pensei, poxa, vai ser cansativo vê-la narrando suas histórias, mas com o passar dos capítulos fiquei curiosa para saber o futuro desses personagens. A leitura é de linguagem simples, mas para quem nunca leu um livro com conteúdo adulto (sim, este é um livro hot) pode ficar sem jeito com a forma explicita do relato dos acontecimentos entre Kelly e seu namorado e posteriormente seu padrasto. Em breve, teremos a resenha. Até a próxima!!!


RESENHA ESCRITA POR: GREISI SILVA
28 anos, administradora e artesã nas horas vagas, apaixonada por leitura e artes, não vivo sem música, poesia e cinema. Descobri que viajar é preciso e comer pipoca é fundamental para se ter boas ideias.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

RESENHA DO LEITOR: MORTE SÚBITA

SINOPSE: Este livro de J.K. Rowling conta a história de Pagford e seus habitantes, que, após a morte inesperada de Barry Fairbrother, membro da Câmara do vilarejo, fica em choque. Pagford é, aparentemente, uma pacata cidade inglesa com tudo o de mais comum e organizado que pode haver, mas o que está por trás da fachada bonita é uma cidade em guerra - uma guerra de classes, credos, gerações e interesses. Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com seus maridos, professores em guerra com seus pupilos - Pagford não é o que parece ser. O assento vazio deixado por Barry no conselho municipal logo se torna o catalisador para a maior guerra que a cidade já viu. Quem triunfará em uma eleição repleta de duplicidade, paixão e revelações inesperadas?


Sabe aquele livro que fica na estante por meses e você sempre adia a leitura? Pois é, no caso de Morte Súbita foi assim. E como me arrependo de ter esperado tanto!  J. K. Rowling foi brilhante neste livro, o que não é novidade, apesar de ser seu primeiro livro adulto. Eu diria que Morte Súbita, além de ser um livro instigante e detalhista (cheio de suspense e personagens que vão da mais doce inocência, ao mais vil manipulador), é também um retrato da sociedade contemporânea, com suas aparências, futilidades, interesses, dramas e injustiças.


Os núcleos que se apresentam no início do livro vão se conectando e aos poucos tudo começa a fazer sentido. Os acontecimentos apresentam-se de forma crua, forte e realista. Tanto as personagens do núcleo adulto, quanto do núcleo adolescente, entrelaçam-se ao longo da trama, demonstrando coerência. A autora aborda temas polêmicos e toda a problemática adolescente, desde o uso de drogas, a descoberta do sexo, bullying, relação entre pais e filhos, etc.


A trama se desenrola em um pequeno vilarejo. A morte repentina de um dos membros do Conselho Municipal (que é o elo de ligação entre as personagens), desencadeia nos habitantes atitudes impulsionadas pela ambição desmedida, amores escondidos e inconscientes, conflitos familiares e revela as desigualdades sociais típicas da sociedade atual. O final é realista, duro, mas ao mesmo tempo inesperado, considerando a realidade dos dias atuais. Um livro que leva o leitor a refletir sobre as injustiças que se comete ao julgar as aparências, a história de cada um, sem conhecer seu real contexto. #Recomendo


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40 anos, sou Pedagoga, Teóloga e Artesã. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

RESENHA DO LEITOR: MINIATURISTA

SINOPSE: Em 1686, a jovem Nella Oortman se casa com Johannes Brandt, um bem-sucedido mercador de Amsterdã, e se muda do interior da Holanda para a cidade grande. Nella acredita que o casamento com um homem rico e poderoso irá lhe proporcionar uma vida repleta de glamour e felicidade, no entanto, não é o que ela encontra quando chega à nova casa: por causa das viagens a trabalho, Johannes não é dos maridos mais atenciosos e Marin, sua irmã, se encarrega de controlar cada aspecto do lar e da família Brandt, revelando-se extremamente opressiva e dominadora. Para agradar a nova esposa, Johannes a presenteia com uma miniatura da casa em que moram e, logo, Nella encontra um miniaturista para confeccionar algumas peças. No entanto, tudo começa a mudar quando o miniaturista passa a enviar obras que nunca foram pedidas, mas que não apenas refletem a realidade, como parecem anunciar futuras tragédias. Encantador, belo e repleto de mistérios, Miniaturista é uma magnífica história de amor e obsessão, traição e vingança, aparência e verdade.


Título: Miniaturista
Autora: Jessie Burton
Gênero: Ficção
Editora: Intrínseca 
Páginas: 352
Ano: 2015

Esse livro me ganhou pela capa, fiquei apaixonada e fui ler a sinopse, aí a paixão virou amor. Parei na livraria e fiz meu teste rápido de três perguntas (Só compro com três "sins"): 1) Eu realmente preciso desse livro? (Sim, muito). 2) Tenho dinheiro? (Sim, tenho o do lanche, mas não tô com fome mesmo). 3) Tem que ser agora? (Sim, é caso de vida ou morte). Pronto. Livro comprado, hora de "viajar" e gente!!! QUE VIAJEM.


Petronella Oortman é a personagem principal. Johannes é o marido, um mercador rico e bem-sucedido que nunca dá atenção para ela. Marin é irmã de Johannes, uma mulher fria e muito rude com Nella, mas é sem dúvida uma personagem fundamental e surpreendente que merece toda nossa atenção. O livro começa nos levando ao velório do pai da Nella, que faleceu antes dela completar 18 anos e deixou de herança suas várias dívidas de bebida. Para fugir da miséria, ela se muda para Amsterdã depois de um casamento arranjado pela mãe com Johannes, o que era comum, devido os costumes da época.


“Você precisa se casar com um homem capaz de manter um florim no bolso – disse a mãe dela (...) Olhe pra você. O que mais nós, mulheres, temos? (...)”

Nella passou anos de sua vida aprendendo como ser uma boa esposa, como cuidar de filhos e do marido, mas não foi isso que aconteceu. Johannes passava muito tempo fora de casa cuidando dos negócios, quando percebe que a esposa está muito triste ele dá a ela uma versão miniatura da casa dos Brandt em um armário. Nella resolve contratar um miniaturista para mobiliar a casa de brinquedo e inicia sua coleção de miniaturas solicitando algumas peças, porém, algo no mínimo estranho acontece: algumas encomendas começam a chegar mesmo sem terem sido pedidas. As peças misteriosas parecem contar uma história, por vezes parecem ser premonições, são réplicas perfeitas de cada um dos habitantes da casa – incluindo Otto, um homem negro, criado de Johannes e Cornelia, a criada que age como se fosse a dona da casa.


"Ao me mostrar minha própria história, reflete Nella, a miniaturista se tornou autora dela. Gostaria muito de poder recuperá-la."

Com "Miniaturista" Jessie Burton na verdade faz críticas à submissão feminina, os valores deturpados da alta sociedade, à hipocrisia religiosa e o preconceito. O livro me fez imaginar a vida naquela época e ver que algumas coisas infelizmente não mudaram muito. Um trabalho maravilhoso que realmente me levou a Amsterdã do século XVII graças à riqueza de detalhes contidos na história. É uma ótima leitura para quem gosta de um romance bem orquestrado. Curiosidade: Miniaturista foi baseado na história da holandesa Petronella Oortman, casada com Johannes Brandt, que era dona de uma casa de bonecas que é parte da coleção permanente exposta no museu Rijksmuseum, em Amsterdã.


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: KELLY GONÇALVES
28 anos, paulistana, casada, apaixonada pelos livros, futura técnica em radiologia. Apenas uma mãe tentando por em dia as suas séries favoritas.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

PRIMEIRAS IMPRESSÕES: O DEMÔNIO NO CAMPANÁRIO

SINOPSE: Evangeline Lions é uma garota como outra qualquer. Estuda em um colégio de boa reputação, diverte-se com seus amigos ouvindo música no último volume e tenta a todo custo chamar a atenção dos pais. Até eles se separarem, e ela ser enviada para o colégio interno do Convento de Santa Maria. Ali, Eva - como gosta de ser chamada - terá de se adaptar a uma nova rotina, a novas amigas malucas, a um possível pretendente e a uma inimiga implacável. Eron é um demônio que se alimenta da lascívia humana. Preso ao campanário do Convento por uma maldição, e adormecido há décadas, ele é desperto por um novo cheiro no ar. Uma nova virgem chegou ao colégio e seu odor revela poder. Muito poder. Talvez, a nova garota seja sua garantia de liberdade.


Então gente, no livro O Demônio No Campanário temos uma história narrada por duas pessoas Eron e Evangeline, ou Eva para os íntimos. Eron como o próprio nome do livro já diz é um tipo de demônio que vive em um campanário. Depois de uma tentativa mal sucedida de atacar uma garota, ele acaba amaldiçoado. A única maneira de se livrar de tal maldição é encontrar uma nova vitima, uma bem especifica por sinal, e entregá-la ao responsável por colocar a maldição sobre ele.


Para aqueles de vocês, que como eu não fazem ideia do que é um campanário, fico feliz em dizer que depois de uma breve pesquisa descobri que são aquelas torres de igreja onde ficam os sinos. E é exatamente no campanário que costumava se esconder é que Eron fica aprisionado na forma de uma estatua de pedra.


Muitos anos depois que a maldição foi lançada Eva chega ao convento, que é onde o bendito campanário fica. Depois de uma separação difícil entre seus pais que mal lhe dão atenção a garota tem que se acostumar com os novos costumes do colégio interno.


Por ser um ponto fora da reta, com um estilo mais sombrio e punk, Eva não é muito de fazer amigos, mas a nova escola promete mudar isso. Apesar de não ser exatamente do tipo que se enturma fácil, as garotas do colégio estão determinadas a mantê-la por perto. Depois de tanto tempo no colégio interno algumas delas, querem simplesmente saber como é o mundo lá fora.


Enquanto tenta entrar no ritmo da nova escola e o novo estilo de vida que foi imposto a ela por seus pais, Eva nem suspeita que acaba de virar presa de um alma amaldiçoada que a muito espera por alguém como ela, para finalmente libertá-lo de sua maldição. O Demônio No Campanário entrará em pré-venda a partir da semana que vem em duas versões, física e digital e você poderá ter mais informações aqui no Blog na Semana Especial que faremos! Você ainda pode conferir uma entrevista que fizemos com a autora clicando aqui!


RESENHA ESCRITA POR: CAROLINA SIQUEIRA
Carol Siqueira, 20 anos, é estudante de Odontologia pela Universidade Positivo e quando não está deixado o sorriso das pessoas mais bonito, ela passa seu tempo lendo histórias sobre criaturas mágicas, que eventualmente se apaixonam, ou escrevendo algum resumo bobo na varanda de sua casa e não perde a oportunidade de adicionar mais um livro a sua coleção de preferidos.