terça-feira, 31 de outubro de 2017

RESENHA DO LEITOR: CONTOS DE IMAGINAÇÃO E MISTÉRIO (EDGAR ALLAN POE)

SINOPSE: Em 1919 a editora londrina George G. Harrap & Co. lançou uma antologia de contos de Edgar Allan Poe, que àquela altura já era reconhecido como o pai das histórias de suspense e mistério. A edição, porém, não se limitava a reproduzir as narrativas: luxuosa, ela foi ilustrada pelo irlandês Harry Clarke (1889-1931). É exatamente essa edição que o selo Tordesilhas lança no Brasil, mas com um precioso acréscimo: posfácio de Charles Baudelaire (1821-1867), primeiro tradutor de Poe para o francês e a reconhecer a genialidade do escritor norte-americano.


"O homem e sua obra, ambos ocupam um lugar importante na história da fantasia, pois Poe criou um gênero diferente, sem precedentes, e, me parece, levou o segredo consigo. Podemos chamá-lo de chefe da escola da estranheza" (Júlio Verne). 

Com ilustrações de Harry Clarke e tradução de Cássio de Arantes Leite,  esta bela edição de Contos de Imaginação e Mistério, publicada originalmente em 1919, tornou-se uma das mais preciosas obras literárias da época. O prefácio, escrito por Charles Baudelaire, é um caso à parte. Li e reli, a fim de extrair deste o sumo de sua intencionalidade. O texto descreve não apenas a obra em questão, mas toda a arte e personalidade de Poe. Baudelaire o vê como uma "caricatura". Alguém que foi grande por sua sutileza metafísica, pelo rigor de suas análises e pela beleza misteriosa de sua arte. Poe se joga no sonho, na imaginação, na busca do que, para ele, seria a verdadeira natureza humana.


"Toda certeza está nos sonhos" (Edgar Allan Poe). 

Na obra de Poe, observa-se uma característica constante, que descreve o homem como um ser dotado de uma perversidade nata, podendo ser ao mesmo tempo "homicida e suicida", "criminoso e carrasco". Nata, porque somente isto explicaria certas más ações praticadas. Na presente obra nos deparamos com o que para Poe, é uma faculdade quase divina: A imaginação. Nos contos aqui presentes, pode-se observar elementos espirituais, poesia, método científico, análise lógica, investigação, assim como fantasia, horror e suspense. 


"O intelecto visa a verdade, o gosto nos mostra a beleza e o sentido moral nos ensina o dever." (pág. 21)

Além disso, em vários momentos percebe-se seu gosto e admiração pelas formas belas e singulares, pela suntuosidade oriental e pelos ambientes sombriamente decorados. Por ser considerado o "pai da narrativa policial", serve de inspiração até os dias de hoje para os que buscam alcançar os mais altos patamares da arte voltada para o mistério, a investigação, o sobrenatural e o sombrio. Dos 22 contos presentes nesta obra, destaco "O Gato Preto", "O Enterro Prematuro", o "Poço e o Pêndulo". Em vários momentos, entre um conto e outro, vislumbrei diversos elementos e até cenas completas de livros e filmes contemporâneos, que certamente inspiraram-se na obra deste gênio.


Uma leitura que leva o leitor a refletir sobre a natureza humana e seus gatilhos emocionais; sobre os mistérios espirituais e o que nos torna quem somos verdadeiramente, quando nos despimos das máscaras sociais as quais estamos habituados. Sentimento de culpa, ficção científica, investigação policial, terror sobrenatural, enfim, cada conto de Poe traz consigo uma essência e um objetivo, cabendo ao leitor analisar as entrelinhas, pois nem sempre sua intenção está explícita. #Recomendo


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40 anos, sou Pedagoga, Teóloga e Artesã. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: