terça-feira, 19 de dezembro de 2017

RESENHA DO LEITOR: EXTRAORDINÁRIO

SINOPSE: Nascido com uma deformidade facial que o impediu de ir à escola por muito tempo, um garoto vira o herói da quinta série. August Pullman é um garoto que nasceu com uma doença genética, que o fez passar por 27 cirurgias plásticas. Aos 10 anos de idade, ele pela primeira vez frequentará uma escola regular, como qualquer outra criança. Assim ele precisará lidar com a sensação do constante de ser sempre observado e analisado por todos à sua volta.


Impressões Pessoais: "Os olhos dele ficam cerca de dois centímetros abaixo de onde deveriam, quase no meio das bochechas. São caídos, formando um ângulo acentuado, quase como se alguém tivesse aberto duas fendas diagonais em seu rosto, e o esquerdo é claramente mais baixo que o direito. E são esbugalhados, porque as cavidades oculares são pequenas demais para comportá-los. As pálpebras superiores ficam sempre meio fechadas, como se ele estivesse adormecendo. As inferiores são tão caídas que até parece que um fio invisível as puxa para baixo: dá para ver a parte interna, vermelha, como se a pele estivesse do avesso. Ele não tem sobrancelhas nem cílios. O nariz é desproporcionalmente grande para o rosto, e meio largo. A cabeça dele é afundada nas laterais, no lugar onde deveriam estar as orelhas, como se alguém a tivesse apertado bem no meio com um alicate gigante. Ele não tem maçãs do rosto. Dois vincos profundos descem dos cantos do nariz até a boca, o que dá a ele a aparência de um boneco de cera". Decidi começar essa resenha com esse trecho do livro por considerá-lo uma das partes mais emocionantes do livro. Essa é a descrição física do August, personagem principal do livro, sob a perspectiva da sua irmã Via. Na realidade isso está de acordo com o que narra o próprio August logo no primeiro capítulo, "não vou descrever minha aparência. Não importa o que você esteja pensando, porque provavelmente é pior".


Todos nós sabemos que o período escolar nunca é fácil, seja pelas dificuldades inerentes de aprendizado, pressão para não ser reprovado nas disciplinas, ter que lidar com professores, e conviver com diariamente com colegas desconhecidos. Imagine todas essas dificuldades somadas ao fato de ser ter o rosto deformado por causa de uma doença genética. É sobre isso e muito mais que “Extraordinário” aborda. August é um garoto de dez anos de idade, que por causa de um raro acidente genético nasceu com uma deformidade facial genética. Essa condição genética é a síndrome de Treacher Collins, doença genética rara que causa anomalias nos ossos da região craniofacial, doença que afeta um em cada 50.000 bebês no mundo. E por ser uma malformação congênita, caracteriza um conjunto de deformidades craniofaciais, como o achatamento dos ossos da face, queixo pequeno, pálpebras caídas, fissura no palato e ausência ou malformação das orelhas, que podem causar dificuldade para respirar, se alimentar, além de perda auditiva. E todos esses obstáculos físicos precisam ser lidados pelo August.


E desde bebê, ele por causa da sua aparência física, precisou lidar com choque, horror, susto e enojo das pessoas que o viam pela primeira vez. E por causa das inúmeras cirurgias que ele foi submetido, vinte e sete desde o nascimento até os dez anos de idade, ele nunca tinha ido à escola. Mas quando seus pais, Isabel e Nate, decidem que talvez seja hora de ele ir para a escola, Auggie já sabe que este será o seu maior desafio. Assim o leitor tem a oportunidade de acompanhar o August no seu primeiro ano escolar. E acompanhar como o Auggie precisou lidar com o bullying por meio de olhares curiosos, risadas sarcástica, apelidos e piadas cruéis. Só para vocês terem ideia, quando August chegou na escola rolou uma espécie de "jogo" que qualquer um dos alunos que por acidente encostasse nele por acidente tinha 30 segundos para lavar as mãos ou passar um antisséptico antes de pegar o que eles passaram a chamar de "praga".  Uma verdadeira bobagem que revelava o quanto August sofreu emocionalmente com tanta exclusão.


Apesar de no livro ter cenas tão fortes como essa, ele também destaca o quanto Auggie e sua família vão construindo juntos um verdadeiro manifesto à gentileza, bondade, amizade e amor ao próximo em favor da igualdade e inclusão social. Um dos aspectos mais marcantes dessa narrativa é justamente  o amor da família Pullman que os move a configurar-se com atos de amor e bondade a fim de proporcionar ao August o melhor lar possível. Apesar de todos os desafios que a sua família também teve que lidar, eles criaram para o August um lar aconchegante e um verdadeiro refúgio e segurança diante de tanta incompreensão e rejeição social que Auggie tinha que lidar. E isso resultou, em August se tornar uma criança madura, inteligente e amorosa, que ciente da sua estranheza e de seu deslocamento no mundo, promove o amor e a gentileza. Sem jamais revidar e às vezes, por encarar de forma positiva os desafios por causa da sua aparência física, mostrando não somente a sua força, mas a sua resiliência em lidar com os obstáculos da vida. A madureza do Auggie em contrapartida aos atos cruéis de Julian, seu colega preconceituoso, é prova de que o amor, bondade, ódio e a intolerância são reproduções do que se vê em casa.


Além do livro nos possibilitar saber a opinião de outros personagens sobre August e sua doença e como isso influenciou o seu modo de vê-lo e de encarar a vida, essa história é repleta de intertextualidade por meio de citações com clássicos, como: “O Pequeno Príncipe” e “Hamlet”. Ou citações de personalidades famosas ou bandas que serviram de ensinamentos para August e os demais alunos do 5°ano. Além de frases ou preceitos do professor Browne, um dos docentes da escola de Auggie, que são frases curtas muito legais, como por exemplo: “Seus feitos são seus monumentos”, ou “Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil escolha ser gentil.” Essas máximas enriqueceram a vida dos personagens e tornam a leitura desse livro um verdadeiro aprendizado para a vida. Além de uma escrita criativa extremamente cativante, a autora consegue tocar o coração dos leitores por escrever uma história de amor e gentileza capaz de mostrar que muito mais importante do que a aparência física  é aquilo que somos no íntimo. Essa é uma história de gentileza que mostra o quanto podemos “ir mais longe” mesmo quando inúmeras circunstâncias estão além do nosso alcance. Um manifesto de como se promover o amor e a gentileza, já que somos todos extraordinários!



Sobre a autora: R.J. Palacio mora em Nova York com o marido, dois filhos e dois cachorros. Por mais de vinte anos foi diretora editorial, diretora de arte e designer gráfica. “Extraordinário”, seu primeiro romance, deu origem a novela “O capítulo de Julian”, e ao livro “365 dias extraordinários: O livro de preceitos do Sr. Browne.



VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: Felipe Maranhão
22 anos. Graduando do 6° período de Letras, da Universidade Federal do Tocantins. Pesquisador em Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com ênfase em bilinguismo Krahô. E amante da literatura universal. 

13 comentários:

  1. Este livro é realmente Extraordinário. Hahaha
    E está na minha lista de melhores livros lido no ano.
    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thaís, depois podíamos fazer o Top5 dos melhores livros do ano.

      Excluir
  2. Parabéns Felipe pela ótima resenha como sempre arrasa livro realmente marcante e emocionante .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrei de você relendo algumas partes e chorando no debate. Não esqueci do seu livro, viss?!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Parabéns!!! Sua resenha é "extraordinária".
    minha 2° leitura melhor do ano.,,

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Mais uma vez meus parabéns pela resenha! :-)
    O que falar de "Extraordinário" além de que foi e sempre será uma leitura que nós faz refletir sobre como nós agimos defronte do diferente e do que não é comum e de que com pequenos gestos podem mudar a vida das pessoas. Além do mais adora leituras que me trazem ensinamentos ou algum significado que posso levar pra vida e Extraordinário faz isso.

    ResponderExcluir
  6. Sem dúvidas uns dos melhores livros lido nesse ano, um dos livros que mais fiquei emocionado,um livro quer nos faz pensar e até mesmo recordar. É impossível não se apaixonar! Parabéns pela a resenha belíssima. 👏👏😍

    ResponderExcluir
  7. Felipe como sempre arrassando nas suas críticas literárias. Tão autoral e sensível.

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook: