quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: O SORRISO DA HIENA

SINOPSE: Atormentado por achar que não faz o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor, William, um respeitável psicólogo infantil, tem a chance de realizar um estudo que pode ajudar a entender o desenvolvimento da maldade humana. Porém, a proposta feita pelo misterioso David coloca o psicólogo diante de um complexo dilema moral. Para saber se é uma pessoa má por ter presenciado o brutal assassinato dos seus pais quando tinha apenas oito anos, David planeja repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a dele, dando a William a chance de acompanhar o crescimento das crianças órfãs e descobrir a influência desse trauma na vida delas. Até onde ele será capaz de ir? É possível justificar um ato de crueldade quando, por trás dele, há a intenção de fazer o bem?


Olá, leitores! Hoje, decidi escrever sobre esse livro que tem todas as características de um bom livro de suspense. Gustavo Ávila, o autor, tem uma escrita envolvente que prende os bons amantes de literatura policial. Ávila é a prova de que no Brasil há bons escritores contemporâneos capazes de produzir boas obras literárias. Esse livro possui capítulos curtos e amarrações que jogam o leitor para o capítulo seguinte. O autor criou uma trama complexa que vai além da busca pelo assassino. Ele aborda questões morais, éticas, profissionais e de justiça atrelado a um jogo de suspense somado à questões psicológicas. Ou seja, ele leva o leitor à busca pelo assassino e a reflexões sobre as atitudes dos personagens principais.


Logo no prólogo da narrativa, o leitor encontrará um caso de assassinato que em parte diz ‘’os olhos da criança gritavam, arregalados em um silêncio forçado, uma testemunha impotente que não podia fazer nada para impedir o que via. Preso em uma cadeira, o garoto encarava seu pai e sua mãe sentados à sua frente com as mãos amarradas atrás das costas.  A mulher olhava para o filho, enquanto o olhar do pai subia sobre a cabeça do menino e observava o estranho que estava agora dentro da sua própria casa.’’ Logo o leitor sente um ‘’clima’’ pesado pois sabe que se seguirão atos de tortura e morte na frente de uma criança. E qualquer leitor de suspense sabe o quanto são bons os livros que se iniciam com fatos ou assassinatos macabros que instigam a curiosidade do leitor!


Em seguida, o leitor conhecerá Arthur, um dos melhores detetives da Delegacia de Polícia da cidade. E o interessante é que esse detetive aos dez anos de idade foi diagnosticado com Síndrome de Asperger, um tipo de autismo que não causa nenhum atraso no desenvolvimento intelectual, mas molda a pessoa com certas particularidades. As mais comuns são pouca interação social, a capacidade de entender emoções não verbais, tendência de falar tudo o que pensa e uma habilidade lógica acima da média. Vale ressaltar, que esse personagem complexo é muito bem construído, direto, objetivo, sagaz e muito inteligente. Com habilidades interessantes para um bom detetive que se envolverá na busca da prisão de um cruel assassino. David, o assassino, começa a procurar casais com filhos de oito anos de idade, para assassinar os pais em um ritual de tortura e morte, sem jamais assassinar a criança. 


Esse assassino testemunhou o assassinato dos seus pais aos oito anos de idade, assim ele quer saber se é possível outras crianças serem cruéis quando se tornam adultas por terem visto seus pais morrerem de forma tão cruel. Para isso, ele vai repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com ele. Em virtude disso, os assassinatos são todos iguais, envolvem basicamente ele invadir a casa da família usando uma máscara, amarrar a criança em uma cadeira e na frente dela cortar a língua do pai e dar um tiro na cabeça da mãe. Um verdadeiro ato de crueldade que mexe com o leitor. Como ele mesmo escreveu ‘’eu já fui uma dessas crianças. Inocente, indefesa, cheia de expectativas coma vida. Até conhecer a natureza cruel do ser humano. Eu vi meus pais serem mortos na minha frente. E eu vi tudo amarrado em uma cadeira, sem poder gritar, sem poder fazer nada. Nada!’’


Assim, ele sem se identificar entrará em contato com William, um renomado psicólogo infantil, que durante a sua tese de Doutorado, escreveu justamente sobre crianças que tiveram que lidar com traumas desse tipo. Entretanto, levaria anos para ele de fato ser preciso em suas pesquisas e precisaria de mais dados para a sua pesquisa ser ainda mais bem-sucedida. Em termos simples, ele precisava de mais casos semelhantes envolvendo o assassinato de casais com filhos e acompanhar esses órfãos por uns 10 anos a fim de melhor mesurar os resultados da sua tese de doutoramento. Como faltava-lhe prática, o assassino escreve-lhe E-mails, mostrando interesse no assunto problematizado por ele em sua pesquisa. O assassino tem interesse pessoal em entender melhor o seu próprio trauma. Para isso, ele vai assassinar esses pais repetindo o mesmo episódio ocorrido com ele na infância. 


Com isso William precisa decidir se ajudará esse assassino por manter o seu silêncio e ser conivente com os assassinatos sem denunciar esse criminoso para a polícia e, assim ter mais dados e corpus para concluir de forma definitiva a sua tese de Doutorado. Assim ele acha que poderia ajudar melhor as crianças que, no futuro, precisassem lidar com traumas semelhantes e ajudá-las a superá-lo sem se tornar também um assassino durante a vida adulta. Assim o autor levanta no livro uma questão moral e de consciência, mediante esse dilema do William. Qual a origem da maldade? Seria uma escolha ou algo inerente ao ser humano? A narrativa do livro mantém viva a curiosidade do leitor, porque ele deseja saber até onde William será capaz de chegar, se Arthur conseguirá solucionar esse caso, e qual será o final do assassino. Além do fato, de que os leitores poderão atribuir os seus próprios juízos de valores sobre as atitudes ou escolhas dos personagens que traça o seu final na narrativa. Enfim, é um thriller psicológico atípico por abordar questões complexas e dilemas morais que prendem o leitor à narrativa desse livro sensacional. Um livro que eu super recomendo aos amantes de romances de suspense!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: Felipe Maranhão
22 anos. Graduando do 6° período de Letras, da Universidade Federal do Tocantins. Pesquisador em Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com ênfase em bilinguismo Krahô. E amante da literatura universal.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: HARRY POTTER E A CÂMARA SECRETA

SINOPSE: Os Dursley estavam tão anti-sociais naquele verão, que tudo o que Harry queria era voltar às aulas da Escola de Bruxarias de Hogwarts. No entanto, quando já terminava de fazer suas malas, Harry recebe um aviso de um estranho chamado Dobby, que diz que um desastre acontecerá caso Potter decida voltar à Hogwarts. Harry não liga para aquela mensagem e o desastre realmente acontece. Naquele segundo ano estudando em Hogwarts, novos horrores surgem para atormentar Harry, incluindo o novo professor Gilderoy Lockhart e um espírito chamado Moaning Myrtle, que assombra o banheiro feminino, além de olhares indesejados da irmã mais nova de Ron Weasley, Ginny. Todos esses problemas, no entanto, parecem menores quando o verdadeiro problema começa e algo transforma os alunos de Hogwarts em pedra. Dentre os suspeitos: o próprio Harry.


LIVRO: Harry Potter e a câmara secreta
AUTOR (A): J.K. ROWLING
NACIONALIDADE: estrangeiro
QTD PÁGINAS: 252
LANÇAMENTO: 2015
EDITORA: ROCCO

“... Nunca confie em nada que é capaz de pensar se você não pode ver onde fica seu cérebro"

E aqui estamos dando continuação à saga Harry Potter! Neste livro, nosso protagonista vai enfrentar uma ameaça invisível, que vai nos deixando amedrontados desde o inicio da leitura. O pedido de um Goblin - desconhecido e com seu dono misterioso - para Harry não ir à escola aquele ano, as ameaças dos Dursley em não deixá-lo mais voltar para Hogwats, uma carta de advertência que quase causa sua expulsão e muitas coisas estranhas que começam a acontecer na escola, desde bolas de quadribol perseguidoras à escritos de sangue nas paredes da escola. Claro, que para quem já deu uma espiadela em algum spoiler ou somente assistiu os filmes já sabe de qual ameaça é essa e muito do que vai acontecer no decorrer da história, mas sempre repetirei, leiam os livros! Os detalhes de alguns dos acontecimentos importantes que mostram no filme, além de umas cenas extras, corroboram com as informações e ajuda o leitor a realmente entender o que se passa na cabeça do personagem quanto a desvendar o mistério que está se passando por ali.


E sim, por mais que nosso querido protagonista seja um herói desde o primeiro ano da escola, ele ainda é visto como o mais encrenqueiro, e quando as coisas começam a rolar de verdade, ninguém perde tempo para culpá-lo de todos aqueles infortúnios, apesar de nesta trama haver muitos suspeitos. O bom para Harry, é que ele tem a amizade inseparável de Rony Weasly e de Hermione Granger, os que estão sempre com ele em qualquer confusão e mistério que assombre a escola. O que começo a achar que, apesar de muitas coisas acontecerem pelo protagonista ser justamente o Harry Potter, aquele cujo Você-Sabe-Quem (Lord Voldemort) não conseguiu matar, como por eles serem muitíssimos curiosos e se meterem onde não devem, mas se não forem eles, quem iria?!


"... São as nossas escolhas, Harry, que revelam o que realmente somos, muito mais que as nossas qualidades"

Uma coisa que não fica clara, ao menos eu não havia entendido vendo o filme, foi sobre quem realmente era e é Tom Riddle, que nos é apresentado no livro/filme e é um dos que Harry vai ter de descobrir partes do passado para tentar entender o que está acontecendo na escola e quem é o real herdeiro de Slytherin (Fundador da Casa Sonserina), o único que pode realmente abrir a câmara secreta e libertar qual seja o que for o monstro, podendo só ele o controlar, mas que no livro explica tão claramente que não restam dúvidas, e que eu não vou comentar, pois pode ser spoiler para alguns ainda! A Câmara Secreta é tratada como uma lenda antiguíssima na escola por muitos pais e professores, o que deixam - depois de muitos dos acontecimentos como os tais escritos de sangue na parede, pessoas sendo paralisadas e desaparecimentos – os alunos com a pulga atrás da orelha, principalmente, sabendo da ameaça da escola ser fechada por tais fatos.


"... As lendas não se baseiam sempre em fatos?"

Muitos acontecimentos, como a chegada de Harry e Rony na escola com um carro voador, o novo professor da Arte das Trevas, os feitiços que dão errado pela varinha quebrada de Rony, a Murta que geme, a poção de polissuco, as mandrágoras e o encontro com as aranhas na Floresta Proibida, são eventos de certa forma importantes e que trazem várias emoções! A leitura é muito boa e envolvente, com direito a muito humor e drama nos momentos mais certos possíveis, a autora J.K. Rowling tem uma escrita tão simples que as horas voam quando se está lendo. Super recomendo, e já vou recomendando todos os outros porque estou gostando muito! Até a próxima!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: KAROLINA V. S. MELO (Karol Melo)
21 anos, mora atualmente no interior do Paraná. Depois que descobriu o mundo da ficção se tornou uma leitora compulsiva. Ama músicas que a inspirem, e séries de suspense policial, mas não nega um romance clichê. É escritora no blog Verdades e Poesias e sonha em publicar um livro para chamar de seu.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: SOB OS FOGOS DE COPACABANA

SINOPSE: Em “Sob os fogos de Copacabana”, você conhecerá histórias sobre encontros, desencontros, amizades, dramas familiares e, principalmente, amor. Talvez o destino seja capaz de influenciar em nossas decisões, traçar nossos caminhos e determinar quem deve entrar em nossas vidas, e até quando. Ou seremos nós, capazes de mudar o rumo do que está por vir? Apaixonem-se por essas contagiantes histórias, recomendadas para quem não tem medo de ser feliz.


Link para comprar o livro: http://amzn.to/2zUlJUY

Olá amigos do Vitamina Livros!! Feliz 2018 para todos vocês... Caraca! Estava mesmo com saudades de falar com vocês. O final de 2017 foi bem agitado para mim, e para vocês? Mas agora vamos deixar de conversa paralela e bora conhecer um pouco da Antologia chamada “Sob os fogos de Copacabana”Bem, o livro é composto por quatro histórias escritas pelos seguintes autores: Renata R. Corrêa, Edna Nunes, Marcelo Segala e Bernadete Estanini. Não foi surpresa nenhuma as histórias serem boas, uma vez que já conhecia a escrita de 3 dos 4 autores. Amei conhecer a escrita do Marcelo e espero em breve ler mais coisas dele. A obra nos trás 4 histórias distintas que em algum momento serão unidas. Temos histórias de amor, amizade e recomeços. Isso tudo terminando em um lindo cenário – A queima de fogos em Copacabana/RJ. Vamos fazer assim, irei falar um pouquinho de cada conto. Pouquinho mesmo, pois as histórias não são longas. Na verdade, o livro em si não é muito longo, tem 261 páginas. Sabe aquela leitura para um final de semana ou para se levar em uma viagem? “Sob os fogos de Copacabana” é uma leitura linda e agradável! Vale a pena conferir.


“As voltas que a vida dá”, de Renata R. Corrêa

No primeiro conto, o leitor é apresentado a Max. Ele é um jovem adulto de 30 anos que vive uma vida bem diferente de tudo que imaginou que teria nessa idade. A primeira “volta que a vida dá” em Max, é a venda da empresa que ele trabalhava, trazendo insegurança para ele e os colegas de trabalho. E como se isso não fosse motivo suficiente, ele tem a mais absoluta certeza que reviu seu grande amor do passado Alana. A autora Renata, escreveu seu conto em primeira pessoa, sobre o ponto de vista de Max. A autora me agradou muito escrevendo como homem – parabéns Rê! No conto “As voltas que a vida dá”, Renata R. Corrêa mostra para o leitor que nem sempre nosso passado deve de fato ficar no passado, e que o destino pode nos reservar belas surpresas. Adorei o conto!


"A vida dá voltas, mas, de repente, ela volta para o mesmo ponto em que começou."

Instagram: @renata_rcorrea https://www.instagram.com/renata_rcorrea/

"Uma segunda chance" - Bernadete Estanini
No segundo conto, escrito por Bernadete, o leitor conhece Jéssica e Alan. Ambos são pessoas que sofreram grandes perdas na vida. Mesmo com uma saudade enorme e com o sofrimento que isso causa, com o tempo eles percebem que precisam seguir suas vidas. Jéssica decide mudar de cidade e lá abriu seu próprio negocio. É lá que surge a “segunda chance” de sua vida. Além de perceber que a nova cidade é acolhedora, ela conhece Alan. Alan é diretor da escola em que seus filhos vão estudar. Assim como Jéssica, ele perdeu uma pessoa muito querida. Vemos como Jéssica e Alan vão se envolvendo, é lindo a maneira em que esse envolvimento vai surgindo aos poucos e de forma singela. Juntos eles vão aprendendo que recomeçar é necessário. Mesmo que muitas vezes ainda sintam culpa e dor. O conto é escrito em primeira pessoa, sendo Jéssica a nos apresentar essa bela história.  Adorei o conto!


"Não foi fácil o que passamos, mas o que realmente importa é que estamos aqui."

Instagram: @bernadeteestanini https://www.instagram.com/bernadeteestanini/

“A busca incessante”, de Marcelo Segala

Foi por meio do conto que conheci o autor Marcelo Segala. Ainda não tinha lido nada dele, e espero de verdade que logo tenha a oportunidade de ler outros textos seus. No 3° conto, conhecemos Toni, e vemos como ele amou sua esposa Letícia. Mas, às vezes a vida nos prega algumas peças... E Toni perde seu grande amor, vivendo agora apenas com a saudade de seus dias mais alegres. Desse amor tão lindo nasceu Julia. Mesmo tentando seguir em frente, Toni sofre muito e não consegue enxergar motivos para continuar a viver. “A busca incessante”, de Marcelo Segala, é uma história também sobre recomeços. E por meio de sua filha Julia, Toni irá fazer o máximo para seguir sua vida. Para recomeçar a viver. Gostei muito do enredo do conto, e como o autor passa a emoção de seus personagens na escrita.



"Era simplesmente amor" - Edna Nunes

Chegamos ao último conto da antologia. E eu realmente amei a história da Edna Nunes. A autora consegue envolver o leitor de uma maneira única e maravilhosa. Foi o conto que mais gostei e achei mais fofo. Em “Era simplesmente amor” Edna Nunes, nos apresenta a bela e inteligente Liz. Ela tem uma relação muito linda com sua irmã gêmea. Mas ao contrário dela, Liz nunca tinha vivido uma grande aventura amorosa. Até o dia em que conhece Alex. Quando conheceu Alex, Liz enfim sentiu as tais “borboletas no estomago” que tanto sonhava. Porém, a relação dos dois é cheia de obstáculos e até desencontros. Mesmo gostando muito um do outro, o casal decide se separar. No conto vemos que muitas vezes para estar bem com o outro precisamos primeiro nos amar e estar bem com nós mesmos. Era simplesmente amor foi um dos contos que mais me emocionou, e encerra magnificamente a antologia.


"O amor não se explica ele simplesmente acontece."

Instagram: @edna_nunes_escritos https://www.instagram.com/edna_nunes_escritos/

VITAMINAS:

RESENHA ESCRITA POR: RENARA CABRAL PEREIRA PAVEZ
25 anos, capixaba e casada. Formada em pedagogia. Amo ler e dar aula. A leitura me faz viajar!

sábado, 27 de janeiro de 2018

ENTREVISTA COM L. G. MARTINS, AUTORA DE SOBREVIVA, SE PUDER

SINOPSE:  Laura não se lembra de nada! Ela acorda na cama de um hospital sem sua memória, com um bilhete anônimo se desculpando pelo acidente. No começo, ela não se preocupou muito, mas os bilhetes se tornaram intensos, frequentes e ameaçadores. "Acidentes” começam a acontecer e o hospital passa a ser um lugar bastante frequentado por Laura. Misterioso Anônimo (como é chamado por ela) começa a lhe dar ordens e a cada desobediência algo ruim acontece. Todos escondem a verdade e Laura se vê rodeada de segredos e sozinha! Ela só tem uma opção, se manter de boca fechada ou sofrerá consequências piores!


Como surgiu a ideia de escrever “Sobreviva, Se Puder"? Depois de ler Maldosas de Sara Shepard (Pretty Little Liars), toda a ideia surgiu na minha cabeça, e eu fiz os primeiros rascunhos de SSP. Depois, eu acompanhei a série, inspirada no livro e criei os primeiros capítulos. A personagem principal possui minhas características e é um pouco inspirada na minha 4° série do ensino fundamental. Eu era novata na escola e sofria bullying das garotas da minha sala (que tinham uma briga entre elas e eu nem fazia ideia do que acontecia, acabei sendo envolvida no meio e tudo começou). Claro que não é passei pelas coisas que a personagem vive no livro, mas quando escrevi a forma que ela se sentia, é na verdade a forma que eu me sentia naquela época com tudo que elas me falavam, a perseguição e o desprezo delas, me deixando sozinha. Naquela época eu dava ouvidos e sofria bastante com as coisas que elas faziam, mas tudo foi resolvido um ano depois e elas se desculparam. Coisas de colégio!

Quanto tempo demorou para a história ficar pronta? Exatamente um ano! Já a reescrevi e editei tantas vezes, que perdi a conta!

O que o leitor pode esperar de "Sobreviva, Se Puder"? Muitos segredos, literalmente! O livro tem bastante mistério, ação, drama, intrigas, tem o famoso triângulo amoroso, amizades e aquela pitada de comédia.

Qual autor ou autora é seu preferido? Eles de alguma maneira te inspiraram a escrever? Eu leito bastante, tenho tudo quanto é gênero que imagine, mas sempre tem aqueles preferidos né? Amo Becca FitzPatrick, Lauren Kate e Sara Shepard. Agora nacionais é a FML Pepper e eu curto Machado de Assis também. Não lia nacionais, mas mudei esse conceito! De certa forma sim, tem sempre aquela inspiração básica de algum escritor! Tenho uma mania de ouvir música, enquanto estou escrevendo, me ajuda muito também!

Se "Sobreviva, Se Puder" pudesse ter uma trilha sonora qual música você escolheria? Ah, penso em tantas músicas que provavelmente, daria um CD. Mas, escolheria: Monster - Meg & Dia (DotEXE Remix) e A Light To Call Home – Julia Brennan.
Você segue carreira apenas como escritor ou tem outra profissão? Faço faculdade, licenciatura em Letras Português/Inglês, para ganhar aquele dinheirinho extra faço bico em um salão de festas infantis na minha cidade.

Deixe uma mensagem para nossos leitores: Nunca desista dos seus sonhos. Porque um dia eles podem sim virar realidade, basta querer e acreditar - Juliana lima.

L. G. Ferreira tem 20 anos e mora em Porto Ferreira - SP.

PARA COMPRAR "SOBREVIVA, SE PUDER" CLIQUE AQUI!

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: O QUINTO EVANGELHO - A MENSAGEM DO CRISTO (APÓSTOLO TOMÉ)

SINOPSE: Descoberto em 1945, na localidade de Nag Hammadi, no alto Egito, e escrito em língua copta, O Evangelho segundo Tomé — O Quinto Evangelho — são as palavras originais de Jesus, ditas secretamente aos seus discípulos mais próximos, e vem confirmar os evangelhos canônicos, ratificando sua autenticidade. Edição foi traduzida pelo educador e filósofo Huberto Rohden.


Na presente obra temos o texto integral deixado pelo Apóstolo Tomé. São 114 pequenos textos comentados, alguns semelhantes aos outros 4 Evangelhos Canônicos, outros no entanto, enigmáticos e até surpreendentes. O Evangelho de Tomé não trata da narrativa da vida histórica de Cristo, mas de aforismos "ditos" pelo mesmo. No início do livro, aparecem as seguintes palavras: "Estas são as palavras secretas de Jesus, o Vivo, que foram escritas por Didymos Thomas". As "palavras secretas" a que se refere Tomé são ensinamentos esotéricos de Jesus proferidos não para as massas populares, mas para uma elite escolhida de discípulos, capazes de compreenderem o sentido místico de certas verdades profundas. Nos Evangelhos Canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) também consta que Jesus disse aos discípulos: "A vós vos é dado compreender os mistérios do Reino de Deus, enquanto ao povo só lhe falo em parábolas".


Tomé é quase totalmente ignorado nos outros Evangelhos, sendo conhecido pelo cristianismo apenas pela sua incredulidade, a famosa frase "ver para crer". Este Evangelho proclama a imperiosa necessidade de autoconhecimento, que é o fundamento da auto-realização ou auto-redenção. Talvez por este e alguns outros motivos, o Evangelho de Tomé não tenha sido incluído nos Evangelhos Canônicos, por não se "encaixar" em algumas regras, necessárias à construção de uma religiosidade centrada em alicerces inalcançáveis ao homem comum. Nele não aparece nenhum indício de uma hierarquia eclesiástica, o Cristianismo primário era uma fraternidade espiritual, uma espécie de democracia crística.


No Evangelho de Tomé, tudo visa unicamente o despertamento do poder espiritual do homem. Antes de iniciar a leitura, encontramos uma breve explicação sobre a origem (descoberta) dos pergaminhos contendo este Evangelho. É importante ressaltar que este não é um livro sobre uma religião específica, muito menos há a intenção de afrontar qualquer crença. No entanto, sua leitura faz-se essencial para reflexão e análise sobre os motivos que levaram este e outros Evangelhos, como o de Maria Madalena, a não serem incluídos nos textos canônicos. Recomendo muitíssimo!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: O PRÍNCIPE

SINOPSE: O Príncipe é o primeiro clássico do pensamento político moderno, referência durante gerações para estadistas e diplomatas. A obra foi concebida como um conjunto de reflexões do autor sobre a arte de conquistar e conservar o poder em um principado.


Olá, leitores! Vamos para mais uma resenha de um clássico universal. Dessa vez, eu escolhi para ler e resenhar um clássico da Itália Renascentista, "O Príncipe", de Nicolau Maquiavel. Livro esse lido por tantos estadistas e amantes da política partidária e por grandes personalidades, como: Napoleão Bonaparte, que o leu e fez inúmeras anotações transformadas em notas em algumas edições desse livro. Nicolau Maquiavel nasceu em Florença no século XV, ele foi historiador, poeta, diplomata, dramaturgo e músico. Aos 29 anos, ele entrou para a política como Secretário da Segunda Chancelaria, durante o governo de Lorenzo de Médici a quem ele dedicou esse livro. Por estar envolvido com o mundo da política Maquiavel pode observar e estudar o comportamento de outros grandes políticos da sua época e de governos passados, e assim com esse arcabouço de experiência ele retirou alguns postulados para a sua obra.


Assim o que o leitor encontra nessa obra é um manual de como chegar ao poder e manter-se nele visto que esse livro foi dedicado ao magnífico Lorenzo, filho de Piero de Médici. Logo no início da obra, o leitor encontrará a dedicatória de Nicolau Maquiavel a esse príncipe por ele escrever: "As mais das vezes, costumam aqueles que desejam granjear as graças de um príncipe trazer-lhe os objetos que lhe são os mais caros, ou com os quais vem deleitar-se; assim, muitas vezes eles são presenteados com cavalos, armas, tecidos de ouro, pedras preciosas e outros ornamentos dignos de sua grandeza." Daí ele diz que enviava ao príncipe um livro com "o conhecimento das ações dos grandes homens apreendido por uma longa experiência." Maquiavel desejava que esse príncipe fosse bem-sucedido em seu principado assim ele dar-lhe dicas a fim de ser bem-aventurado em seu governo.  


E para isso, o leitor notará que Maquiavel estudou muito, pois ele coloca em sua obra grandes nomes como o de Alexandre, o Grande (356-323 a.C.), que foi rei da Macedônia; Davi, rei de Israel dos tempos bíblicos; Filipe, pai de Alexandre, o Grande e muitos outros magistrados. E ele dar-lhe conselhos, como:

"Um príncipe sábio deve observar tais exemplos e nunca manter-se ocioso nos tempos de paz, mas aproveitar-se deles com engenho para poder agir melhor na adversidade”.

"Mais uma vez concluo que um príncipe deve estimar os poderosos, mas sem se fazer odiar pelo povo"

"E as principais bases que os Estados têm, sejam novos, velhos ou mistos, são boas leis e boas normas. E como não podem existir boas leis onde não há boas armas boas, e onde há boas armas convém que existam boas leis, irei me referir apenas às armas"


Maquiavel vai fazendo também relações metafóricas para o príncipe como, por exemplo, "o príncipe deve ter a força de um leão e a astúcia de uma raposa". Ele precisa dessa força leonina para lidar com as ameaças inimigas e a esperteza de uma raposa para lidar com elas. Achei interessante também ele mostrar ao príncipe que para ele ser bem-sucedido em seu principado ele precisa de virtudes e fortunas. Ou seja, o príncipe precisar ter boas qualidades e saber aproveitar as fortunas ou oportunidades ao seu alcance. E no quesito "temido ou amado"? Maquiavel mostra que é melhor o príncipe ser temido, mas não odiado pelo povo. E isso eu vou deixar que vocês descubram o porquê Nicolau prefere que o príncipe seja temido pelo povo. Uma outra questão abordada nessa obra, além da relação de poder absoluto ou centralização de poder, é a respeito do príncipe estar acima da lei, da moral e da ética. Será mesmo que o príncipe estaria em grau superior e acima dos seus governados? Esse ponto parece até um prelúdio das atuais condições políticas de muitos países. Enfim, caros leitores, se você desejar entender um pouco mais sobre relações de poder, Absolutismo e sobre as condições políticas da Europa dos séculos XV e XVI, "O Príncipe", de Nicolau Maquiavel é a melhor indicação.


VITAMINAS


RESENHA ESCRITA POR: Felipe Maranhão
22 anos. Graduando do 6° período de Letras, da Universidade Federal do Tocantins. Pesquisador em Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, com ênfase em bilinguismo Krahô. E amante da literatura universal.