sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

RESENHA DO LEITOR: O QUINTO EVANGELHO - A MENSAGEM DO CRISTO (APÓSTOLO TOMÉ)

SINOPSE: Descoberto em 1945, na localidade de Nag Hammadi, no alto Egito, e escrito em língua copta, O Evangelho segundo Tomé — O Quinto Evangelho — são as palavras originais de Jesus, ditas secretamente aos seus discípulos mais próximos, e vem confirmar os evangelhos canônicos, ratificando sua autenticidade. Edição foi traduzida pelo educador e filósofo Huberto Rohden.


Na presente obra temos o texto integral deixado pelo Apóstolo Tomé. São 114 pequenos textos comentados, alguns semelhantes aos outros 4 Evangelhos Canônicos, outros no entanto, enigmáticos e até surpreendentes. O Evangelho de Tomé não trata da narrativa da vida histórica de Cristo, mas de aforismos "ditos" pelo mesmo. No início do livro, aparecem as seguintes palavras: "Estas são as palavras secretas de Jesus, o Vivo, que foram escritas por Didymos Thomas". As "palavras secretas" a que se refere Tomé são ensinamentos esotéricos de Jesus proferidos não para as massas populares, mas para uma elite escolhida de discípulos, capazes de compreenderem o sentido místico de certas verdades profundas. Nos Evangelhos Canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João) também consta que Jesus disse aos discípulos: "A vós vos é dado compreender os mistérios do Reino de Deus, enquanto ao povo só lhe falo em parábolas".


Tomé é quase totalmente ignorado nos outros Evangelhos, sendo conhecido pelo cristianismo apenas pela sua incredulidade, a famosa frase "ver para crer". Este Evangelho proclama a imperiosa necessidade de autoconhecimento, que é o fundamento da auto-realização ou auto-redenção. Talvez por este e alguns outros motivos, o Evangelho de Tomé não tenha sido incluído nos Evangelhos Canônicos, por não se "encaixar" em algumas regras, necessárias à construção de uma religiosidade centrada em alicerces inalcançáveis ao homem comum. Nele não aparece nenhum indício de uma hierarquia eclesiástica, o Cristianismo primário era uma fraternidade espiritual, uma espécie de democracia crística.


No Evangelho de Tomé, tudo visa unicamente o despertamento do poder espiritual do homem. Antes de iniciar a leitura, encontramos uma breve explicação sobre a origem (descoberta) dos pergaminhos contendo este Evangelho. É importante ressaltar que este não é um livro sobre uma religião específica, muito menos há a intenção de afrontar qualquer crença. No entanto, sua leitura faz-se essencial para reflexão e análise sobre os motivos que levaram este e outros Evangelhos, como o de Maria Madalena, a não serem incluídos nos textos canônicos. Recomendo muitíssimo!


VITAMINAS:


RESENHA ESCRITA POR: SIMONE TORRES
40. Pedagoga e Teóloga. Leitora compulsiva, cinéfila e amante dos animais. Fazer arte é o que mais amo depois de ler.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com o Facebook: